top of page
  • Foto do escritorAndré Luis Coutinho

Os Rejeitados: um Natal solitário nunca foi tão encantador


Podem me chamar de Grinch, mas eu definitivamente não me empolgo com filmes natalinos. Enquanto muitas pessoas esperam a reta final de dezembro para maratonar comédias, dramas e romances natalinos, eu simplesmente assisto aos filmes que me dão na telha. Afinal, não acho o Natal uma época tão empolgante quanto os norte-americanos parecem achar e filmes natalinos, em grande número, acabam seguindo um padrão idealista (também norte-americano) que simplesmente cansa depois de tanto repeteco requentado. Mas isso quer dizer que o tema nunca funciona?


Obviamente não! Afinal, dependendo dos realizadores por trás, um filme natalino pode se tornar um clássico inspirador como A Felicidade Não Se Compra, um romance fantástico imaginativo como Edward Mãos de Tesoura, ou até um filme de ação explosivo e alto-astral como Duro de Matar. E por mais que Os Rejeitados não reinvente a roda dos filmes norte-americanos inspiradores que se passam durante o Natal, há uma sensibilidade patente do diretor Alexander Payne ao abordar, junto com o espírito da época, assuntos fortíssimos como luto, solidão e abandono de tal forma que se fundem perfeitamente à comédia situacional exercitada aqui. Portanto, temos aqui um dos filmes mais equilibrados e definitivamente dos mais encantadores de 2023!


Para começo de conversa, diferente do recém-lançado Saltburn que faz uso de uma razão de aspecto reduzida horizontalmente sem motivo aparente, aqui Payne diminui razoavelmente o quadro não apenas para remeter ao cinema dos anos 1970 (década em que a história se passa) como também para reforçar a solidão daqueles personagens em um internato escolar que, com a chegada das festas de fim de ano, fica vazio ao ponto de soar opressivo para os três personagens que acompanhamos aqui. Ademais, a escolha dos anos 1970 para encaixar a história não é puramente estilística. Além de ser uma época isenta de tecnologias de comunicação além do telefone fixo e das cartas (o que também potencializa o desamparo dos protagonistas), também teve um Cinema marcado pela melancolia e pela quebra do idealismo utópico norte-americano, gerado especialmente pela reivindicação dos Direitos Civis de certos povos minoritários e pela Guerra do Vietnã, dois assuntos abordados aqui não apenas como contextualização histórica mas também por serem catalisadores de certas realidades particulares.


E é exatamente isso que o filme de Payne mais preza: os retratos particulares das vidas solitárias de três pessoas extremamente distintas, de um aluno relegado a segundo plano pelos pais, passando por uma cozinheira preta que teve seu filho injustamente morto no Vietnã (sim, por questões raciais e de classe), e culminando em um professor aparentemente tirano e mal-intencionado que na verdade esconde uma insegurança que chega a ser comovente na performance de Paul Giamatti, um dos maiores destaques nessa temporada de premiações. Unindo seu visual peculiar à estranheza de seus modos e ao seu vasto conhecimento que usa muitas vezes como escudo emocional, o personagem de Giamatti (também chamado Paul, vale dizer) é a figura mais fascinante por transformar um arco dramático batido – o velho ranzinza que aos poucos amolece o coração pelo aprendiz – em uma tocante abordagem do meio-termo entre frustração e empatia.


Mesmo que se renda a inúmeros clichês em seus minutos finais de exibição, a verdade é que Os Rejeitados constrói tão bem esse trio de protagonistas que sinceramente não importam as facilitações em sua conclusão, já que Payne faz com que tudo o que importe seja a felicidade genuína daquelas pessoas tão solitárias. E sinceramente... Não é esse o espírito do Natal? Agradeço a Payne por ter me feito chorar de alegria, mais do que de tristeza, com sua mais nova crônica sobre pessoas imperfeitas em um mundo que parece não perceber suas presenças.

Comments


bottom of page