top of page
  • Foto do escritorglowpopbr

Segunda Edição do C6 Fest Traz Black Plumas e Cat Power, com 30 atrações de 10 países

Black Pumas, Cat Power cantando Bob Dylan, Charles Lloyd e Pavement são alguns dos destaques do evento que ocupa o Parque Ibirapuera, de 17 a 19 de maio

 

Pré-venda de ingressos para clientes C6 acontece nos dias 6 e 7 de dezembro

e venda para o público em geral, a partir do dia 8


Divulgação


Depois do sucesso de sua primeira edição, quando reuniu milhares de entusiastas da música de todas as idades para assistir a uma programação diversa e multigeracional, o C6 Fest retorna ao Parque Ibirapuera nos dias 17, 18 e 19 de maio de 2024, preservando o seu conceito artístico inovador.

 

Resultado da parceria entre o C6 Bank e a Dueto Produções, o evento renova a aposta em talentos emergentes e nomes consagrados que transitam por gêneros que vão do jazz ao rock, do soul ao pop, passando ainda por MPB, eletrônico e world music. Sua programação - desenvolvida pelo mesmo time de curadores - apresenta mais de trinta artistas de dez países, numa celebração do poder da linguagem universal da música.

 

No aniversário de 70 anos do parque, os shows voltam a ocupar a plateia interna do Auditório Ibirapuera, a sua área externa voltada para o gramado (batizada de Arena Heineken), a Tenda Metlife e o prédio modernista Pacubra – Pavilhão das Culturas Brasileiras, que abrigará a seleção de DJs e parte da área de convivência do público, o famoso Village. As apresentações de jazz acontecem nos dias 17 (sexta) e 19 (domingo), enquanto todas as demais se concentram no fim de semana (sábado,18, e domingo, 19).

 

"É uma alegria poder realizar a segunda edição do C6 Fest. Acreditamos que o festival conseguiu honrar a memória do antigo Free Jazz, que sempre fez parte da minha memória afetiva, e deixou sua marca na concorrida agenda de festivais", afirma Alexandra Pain, head de marketing do C6 Bank.

 

Além da banda de indie rock norte-americana Pavemente da nova sensação do R&B britânico Raye - atrações previamente anunciadas pela organização do evento -, o C6 Fest revela a potência de sua segunda edição ao jogar luz sobre uma seleção de shows internacionais que aterrissam no país pela primeira vez.

 

É o caso de mais da metade do lineup, incluindo o cantore compositor canadense Daniel Caesar, uma fábrica de hits do novo R&B norte-americano; a banda escocesa Young Fathers; o grupo de neo-soul Dinner Party; que tem o celebrado saxofonista Kamasi Washington entre os seus integrantes; o expoente do funk caribenho Cimafunk; a dupla inglesa de synth-pop Soft Cell; o duo de hip-hop alternativo Paris Texas; e a cantora beninense radicada na Nigéria Ayra Starr.

 

Outros destaques do evento são o duo de soul psicodélicoBlack Pumas; Cat Power relendo Bob Dylan; o quarteto do lendário saxofonista Charles Lloyd; o projeto solo da britânica Romy, guitarrista e vocalista do The xx; uma homenagem ao cantor e compositor Cassiano, considerado o pai do soul brasileiro; e cantora Noah Cyrus.

 

A programação traz ainda a eletrizante dupla belga 2manydjs e apresentações inéditas de DJ Meme; Fausto Fawcett; Jakob Bro; Jair Naves; Jaloo com Gaby Amarantos; Jihye Lee Orchestra; Pista Quente; Squid;Sunday Mass by David Morales e Valentina Luz

 

“A beleza de um festival como o C6 Fest está em expandir nossas sensibilidades, abrir nossos horizontes sonoros. Esse é o grande sentido pra mim, unir nomes consagrados ao novo. Se no passado nomes como Chet Baker, Ray Charles e Sarah Vaughan se uniam a talentos como Bobby Mc Ferrin, Philip Glass e John Zorn, hoje seguimos abrindo caminho para novas forças criadoras”, resume Monique Gardenberg, fundadora da Dueto Produções.

 

A principal novidade em relação a 2023 é relevante. Os ingressos para os shows, antes vendidos separadamente para cada palco, ganham nova configuração, agora com duas categorias diferentes: ingresso com lugar marcado,válido exclusivamente para as apresentações de jazz no Auditório Ibirapuera; e ingresso único de pista, que dará acesso aos shows da Tenda Metlife e Arena Heineken. No sábado e domingo, todos os ingressos darão direito ao Village e Pacubra, este último sujeito a lotação (na sexta não haverá programação nestes dois espaços).

 

Hermano Vianna, José Nogueira, Ronaldo Lemos, Pedro Albuquerque e Felipe Hirsch - curadores antenados ao que há de mais novo na cena contemporânea e parceiros de longa data nos eventos musicais realizados pela Dueto Produções –respondem pela seleção das atrações do festival.

 

“A primeira edição do C6 Fest provou que é possível fazer um festival diferente, onde a experiência musical volta a ser o centro de tudo. O resto deve ser conforto para que o público possa prestar atenção nos shows, com a melhor qualidade sonora. Festival bom precisa facilitar o encontro entre vários tipos de público, vários estilos musicais, possibilitando novas descobertas e quebra de preconceitos", ressalta Hermano.  

 

 

 

 

 

VENDA DE INGRESSOS

 

Clientes do C6 Bank terão pré-venda exclusiva (6 e 7 de dezembro), com 20% de desconto sobre o valor dos ingressos, inclusive para meia-entrada, mediante compra com o cartão de crédito do banco. A venda para o público em geral terá início no dia 8 de dezembro. Confira os tipos de ingressos, preços e a grade de atrações no fim do texto.  

 

 

OS ESPAÇOS

 

TENDA METLIFE

 

Com uma atmosfera íntima e capacidade para 5 mil pessoas, a Tenda Metlife receberá nove atrações que representam os mais variados gêneros e as novas tendências da música contemporânea.

 

ARENA HEINEKEN (PLATEIA EXTERNA DO AUDITÓRIO IBIRAPUERA)

 

O palco externo do Auditório Ibirapuera, voltado para um enorme gramado do parque, é o espaço com a maior capacidade de público do festival e sediará uma variedadede estilos sonoros, comandados por algumas das grandes sensações da música mundial.

 

AUDITÓRIO IBIRAPUERA

 

O palco interno do Auditório Ibirapuera abrigará seis espetáculos do festival. Com 800 lugares, o teatro,concebido por Oscar Niemeyer nos anos 1950 mas construído somente em 2005, receberá apresentações de caráter mais intimista, com alguns dos nomes mais representativos do jazz contemporâneo.

 

PACUBRA – Pavilhão das Culturas Brasileiras

 

Com capacidade para 2 mil pessoas, o Pacubra é um dosprédios modernistas assinados por Oscar Niemeyer no parque e fica próximo ao edifício mais famoso projetado pelo arquiteto no local, o da Bienal. O espaço hospedará em seu subsolo um lineup de badalados DJs, enquanto o térreo abrigará uma extensão do Village, o famoso ponto de encontro do público no festival, que reúne praça de alimentação, experiências e ativações. Assim como em 2023, Nelsinho Ferman, do Núcleo Food, assina a curadoria gastronômica do C6 Fest.

 

 

AS ATRAÇÕES

 

A nova edição do C6 Fest contará com expoentes de cenas distintas da música contemporânea, reunindo um espectro geracional de artistas que vieram ao mundo entre1938 e o ano 2000.

 

O pop, eletrônico, rock, mpb, soul e folk dão o tom

dos shows na Arena Heineken e na Tenda Metlife

 

Com mais de um bilhão de streams nas plataformas digitais e apontada como a nova diva britânica do R&B, a cantora Raye é uma das grandes apostas do festival. A artista de origem suíço-ganense, de 26 anos, alcançou o primeiro lugar nas paradas do Reino Unido, em janeiro deste ano, depois que o seu single ‘Escapism’ explodiu no TikTok. Além de compor para nomes como Beyoncé, a inglesa aparece nos créditos da música ‘Girl From Rio’, do álbum ‘Versions of Me’, de Anitta, para quem também já escreveu algumas canções.

 

Na vanguarda dos representantes da geração Z, o premiado cantor, compositor, multi-instrumentista e produtor Daniel Caesar desembarca em São Paulo para apresentar seu marcante R&B contemporâneo. Dono de um Grammy de melhor performance, ele viu seu enorme sucesso entre os críticos se traduzir em números: seu nome figura entre os dez artistas canadenses mais reproduzidos na história do streaming, o que lhe valeu inúmeros certificados de platina pela execução e venda dos álbuns. O que o público do festival verá é o show da turnê ‘Never Enough’, com base no álbum homônimo, que tem lotado espaços como o Madison Square Garden (NY) e Hollywood Bowl (LA).

 

Noah Cyrus, que já foi definida pela irmã mais velha, o fenômeno pop Miley Cyrus, como a artista mais talentosa da família, segue os seus passos com canções de folk-pop que refletem sua jornada pessoal através de temas como amor, perda e autodescoberta.

 

As formações em duos - ainda que venham acompanhados por bandas de apoio - são outra marca curiosa programação.

 

Consagrados pela crítica e pelo público, o Black Pumas, grupo de Austin, nos EUA, liderado por Eric Burton e Adrian Quesada, mostrará no palco por que é a encarnação moderna do soul psicodélico.

 

Desde que fundaram o Paris Texas no final da década de 2010, os californianos Louie Pastel e Felix assinam algumas das faixas mais perturbadoras do hip-hop contemporâneo, com um som radicalmente honesto que subverte as expectativas dos ouvintes.

 

Composto pelos britânicos Marc Almond e Dave Ball, o Soft Cell ressurge das cinzas com uma vitalidade sonora que desafia o tempo. Após um retorno estrondoso em 2018 e uma turnê comemorativa do seu álbum de estreia ‘Non-Stop Erotic Cabaret’ (1981), o grupo de synthpop retornou ao Top 10 do Reino Unido com o disco‘Happiness Not Included’, o primeiro em 20 anos.

 

Encabeçado pelos irmãos belgas David e Stephen Dewaele, o duo 2manydjs se tornou um dos nomes mais incensados da música eletrônica contemporânea a partir dos célebres remixes de bandas como Muse, Gorillaz, Kylie Minogue e Daft Punk.

 

Dois relevantes nomes do indie norte-americano aganharem proeminência nos anos 1990 retornam ao Brasil para a nova edição do C6 Fest. O icônico grupo de rock Pavement, considerado um dos pilares da cenaalternativa, teve uma vida curta, mas deixou uma marca profunda na música, influenciando gerações e bandas consagradas como o Blur, Radiohead e Weezer. Dissolvido antes da virada do milênio, o quintetocomandado por Stephen Malkmus se reuniu uma segunda vez no ano passado – a primeira foi em 2009 – para uma série de shows que vem atraindo milhares de pessoas ao redor do mundo.

 

Já a cantora americana Chan Marshall, mais conhecida por seu heterônimo Cat Power, apresenta pela primeira vez no Brasil o aclamado projeto em que recria na íntegrae com fidelidade a antológica apresentação de Bob Dylanno Royal Albert Hall, em Londres, em 1966. Lançado oficialmente como álbum em 1998, apesar de algumasversões piratas circularem no mercado desde os anos 70, o show do cantor foi marcado por controvérsia e é considerado um dos mais importantes da história da música. A primeira das duas partes, em formato de voz e violão, foi recebida calorosamente pelo público, enquanto a segunda foi muito criticada, com reclamações antes e depois de cada música, porque o cantor, acompanhado pelo lendário grupo The Band, tocou um set inteiramente‘elétrico’, uma heresia para os puristas do folk da época. No C6 Fest, a artista mostra as 15 faixas do álbum ‘Cat Power Sings Dylan: The 1966 Royal Albert Hall Concert’ (2023), gravado ao vivo no mesmo palco do show original, com releituras de grandes sucessos da carreira de Dylan, como ‘Like a Rolling Stone’, ‘Ballad of a Thin Man’, ‘Mr. Tambourine Man’, ‘Just Like a Woman’ e ‘It's All Over Now, Baby Blue’.

 

Uma das vozes do trio inglês de indie-pop The xx,surgido no início do século e ainda em atividade, a cantora Romy apresentará pela primeira vez no Brasil as músicas de ‘Mid Air’ (2023), o álbum de estreia de sua carreira individual. Há menos de três meses nas plataformas de streaming, o disco já conta com dezenas de milhões de ouvintes.

 

Outros representantes da cena indie no lineup, ambos com discos lançados em 2023, são o grupo britânico de pós-punk Squid, uma das bandas mais promissoras do cenário alternativo, e o quinteto escocês Young Fathers, cujo show foi avaliado com cinco estrelas pelo jornal The Guardian.

 

Indicado ao Grammy deste ano na categoria Melhor Rock Latino por seu último álbum, o cubano Cimafunkganhou os holofotes ao misturar funk e hip-hop com música cubana e afrocaribenha, levando a prestigiada revista The New Yorker a compará-lo a ninguém menos do que James Brown.

 

Artista mais jovem do elenco do C6 Fest, com apenas 21 anos, Ayra Starr ganhou destaque em 2021 depois de assinar contrato com a Mavin Records, uma das gravadoras mais importantes da Nigéria. Autointitulado, seu álbum de estreia recebeu elogios da crítica especializada pela mistura envolvente de afrobeats, R&B e pop, destacando a versatilidade musical da cantora. Com letras que abordam amor, crescimento e autenticidade, além da voz singular e sua presença carismática, Ayra traz um frescor para a cena africana como uma das artistas mais promissoras do continente na atualidade.

 

O C6 Fest promove ainda um grande baile soul em homenagem ao legado do cantor e compositor paraibanoCassiano, cuja carreira completaria 60 anos em 2024. Os acordes etéreos de ‘A Lua e Eu e a efervescência de ‘É Primavera’ serão celebrados no show que unirásofisticação e experimentação psicodélica. A fusão dabrasilidade com a vanguarda negra dos EUA - uma das marcas do cantor e compositor morto em 2021 - será a bússola do tributo comandado pelo produtor e diretor musical Daniel Ganjaman. Uma big band acompanharáuma constelação de poderosas vozes da música preta do país. Entre os nomes confirmados até o momento estãoLiniker, Preta Gil, Francisco Gil, Negra Li e Luccas Carlos.

 

O festival também recebe outros destaques da música contemporânea brasileira. A cantora e compositora Jaloo, nome renomado da cena paraense, recebe no palco a participação da conterrânea Gaby Amarantos, considerada uma das principais expoentes do Norte do país.

 

Reconhecido como uma das vozes mais expressivas e intensas do cenário alternativo brasileiro, o brasiliense Jair Naves completa a programação dos shows reservados à Tenda Metlife e à Arena Heineken, com canções que exploram as complexidades das relações humanas e os labirintos da psique.

 

O jazz e suas vertentes ocupam o interior do Auditório Ibirapuera

 

A interseção geracional das atrações é evidenciada também na programação de jazz. Nome mais experiente do elenco, o experiente saxofonista e flautista Charles Lloyd, de 85 anos, é um dos maiores nomes da história do gênero, com uma sonoridade que transita livremente pelo blues e gospel. Um dos precursores do chamado jazz psicodélico, o norte-americano tocava frequentemente com a geração revolucionária do rock dos anos 60, incluindo artistas como Jimi Hendrix, The Doors e Grateful Dead.

 

A sul-coreana Jihye Lee obteve sucesso relativo no início da carreira como cantora de indiepop, até descobrir a paixão pelo jazz ao estudar canto na Berklee College of Music de Boston. Uma das maiores revelaçõescontemporâneas do estilo, influenciada também pelo funk, a música tradicional coreana, a livre improvisação e a arte moderna, a compositora e arranjadora estará à frente de sua orquestra no papel de regente.

 

Formado pelo pianista Robert Glasper, o saxofonista Kamasi Washington e o multinstrumentista e produtor Terrace Martin, importantes nomes da cena musical de Los Angeles, o Dinner Party apresenta a sinergia entre o jazz, o hip hop, o R&B e o soul. Com dois álbuns lançados - ‘Dinner party’ (2020) e ‘Enigmatic society’(2023) -, o trio é presença certa nos principaisfestivais do circuito mundial.

 

Considerado um dos músicos mais inovadores e criativos da cena contemporânea do jazz, o multipremiado trompetista Chief Adjuah, antes conhecido como Christian Scott, se consolidou como um visionário do gênero. Com uma música que propõe esticar convenções rítmicas, melódicas e harmônicas para abranger diversas formas musicais, linguagens e culturas possíveis, o norte-americano é um incansável divulgador da herança cultural e espiritual indígena, interessado em contar, através de sua obra, a história da diáspora africana até os dias atuais.

 

O guitarrista dinamarquês Jakob Bro tem redefinido a importância da escuta na música ao criar paisagens sonoras contemplativas e abstratas, de sutil delicadeza e lirismo. O seu trio Uma Elmo, com o trompetista norueguês Arve Henriksen e o baterista espanhol Jorge Rossy, cria uma atmosfera que convida o ouvinte a uma jornada pela profundidade de composições musicais, uma característica marcante da cena do jazz escandinavo.

 

O duo de brasilienses Daniel Santiago e Pedro Martinspromove a fusão da riqueza musical de Tom Jobim, Dorival Caymmi e o Clube da Esquina com o jazz moderno e o rock clássico. Com carreiras consolidadas e reconhecidas internacionalmente tanto por seus trabalhos autorais, como pelo encontro que rendeu os álbuns ‘Simbiose (2016) e ‘Movement (2023), os músicos são os únicos brasileiros até o momento a terem participadode duas edições do Crossroads Guitar Festival, em 2019 e 2023, evento que reúne os principais nomes do instrumento, organizado pelo guitarrista Eric Clapton.



Encontro de DJs no Pacubra

 

Dedicado aos precursores e às novas tendências das baladas, o Pacubra receberá alguns dos mais celebrados DJs do Brasil e do mundo. A programação é encabeçada pelo lendário e experiente David Morales, queapresentará ao longo de cinco horas o set intitulado ‘Sunday Mass’ (‘Missa de Domingo’, na tradução).

 

Nome influente na contracultura brasileira, o escritor, músico, cineasta e performer Fausto Fawcett, dono do sucesso ‘Kátia Flávia, a Godiva do Irajá’, apresentará o projeto ‘Favelost, O Baile’, uma colaboração com o grupo Insanosom, único show com banda no espaço.

 

Outros nomes importantes da cena nacional como o DJ Meme e Valentina Luz, bem como a balada Pista Quente, completam o elenco do Pacubra.

 

 

LINEUP

 

2manydjs (live)

 

O grupo 2manydjs volta ao Brasil duas décadas após sua primeira visita, trazidos pela mesma equipe por trás do C6 Fest. Composto pelos irmãos belgas David e Stephen Dewaele, eles emergiram como uma influente dupla de DJs e produtores no cenário da música eletrônica. Sua jornada começou na década de 1990, com o lançamento de remixes inovadores que fundiam diversos gêneros musicais. O duo é reconhecido por sua abordagem única, incorporando elementos de rock, pop, hip-hop e muito mais em suas produções. O álbum ‘As Heard on Radio Soulwax Pt. 2’ consolidou o seu status, apresentando uma colagem sonora eclética. Suas performances ao vivo são conhecidas por criar experiências imersivas, redefinindo as fronteiras da música eletrônica. Os irmãos também são membros da banda Soulwax. Com uma carreira marcada por inovação e experimentação, eles continuam a ser uma força criativa na cena global da música eletrônica, inspirando gerações com sua abordagem vanguardista.

 

Ayra Starr

 

Segundo o jornal inglês The Guardian, a nigeriana de origem beninense Ayra Starr “é uma cantora e compositora que personifica a vanguarda da música africana contemporânea”. Ícone de uma nova era musical do continente, sua escalada ao topo se iniciou com o single ‘Rush, que permaneceu ao longo de 13 semanas no Top 40 do Reino Unido, antes de render a ela uma indicação ao Grammy. No palco, o vigor incansável e a voz poderosa que passeia por timbres diversos ajudaram a firmá-la como um símbolo de progresso na música atual.Ayra percorre estilos musicais distintos com a mesma versatilidade e maturidade só vistas emartistas com muita estrada.

 

Baile Cassiano

 

O C6 Fest promove nesta edição um grande baile soul em homenagem ao legado do cantor e compositor paraibanoCassiano, cuja carreira completaria 60 anos em 2024. Conhecido como um dos pioneiros do movimento soul e funk do Brasil, o artista ganhou destaque nas décadas de 1970 e 1980 a partir de álbuns como ‘Imagem e Som(1971) e ‘Cuban Soul: 18 Kilates’ (1976), além de colaborações com artistas da grandeza de Tim Maia e Hyldon. Os sucessos ‘A Lua e Eu’ e ‘É Primavera’ tornaram-se clássicos instantâneos da música brasileira ao incorporarem elementos de samba, soul e música romântica. A fusão da brasilidade com a vanguarda negra dos EUA - uma das marcas do cantor e compositor morto em 2021 - será a bússola do tributo comandado pelo produtor e diretor musical Daniel Ganjaman, que arregimentou uma big band para acompanhar as vozes poderosas de Liniker, Negra Li, Preta Gil, Francisco Gil e Luccas Carlos – nomes confirmados até o momento.  

 

Black Pumas

 

O Black Pumas é uma banda de soul e funk originária de Austin, Texas, formada em 2017. Liderada pelo vocalista Eric Burton e o guitarrista/produtor Adrian Quesada, a banda rapidamente ganhou destaque com sua fusão única de influências retrô e contemporâneas. Seu álbum de estreia homônimo, lançado em 2019, recebeu aclamação da crítica, sendo indicado ao Grammy. A voz poderosa de Burton e a habilidade instrumental de Quesada criam uma atmosfera cativante. A banda é conhecida por suas performances energéticas ao vivo, destacando-se no circuito de festivais. O nome Black Pumas simboliza o animal como um emblema de resiliência e força. Com seu som autêntico, o duo conquistou uma base de fãs dedicada, solidificando-se como uma força inovadora no cenário musical contemporâneo. Mais selvagem, estranho e extravagante do que álbum antecessor, ‘Chronicles of a Diamond’, lançado em 2023, chega como a expressão mais plena até agora da criatividade frenética e a visão ilimitada do grupo.

 

Cat Power

 

Voz inconfundível do indie rock dos EUA, Cat Powerrecria, faixa a faixa, um dos shows mais emblemáticos de Bob Dylan no álbum ‘Cat Power Sings Dylan: The 1966 Royal Albert Hall Concert’. No palco do C6 Fest, o público terá a oportunidade de experienciar a interpretação da artista em torno da obra do maior ícone da história do folk. Nome artístico de Chan Marshall, Cat Power é uma cantora e compositora americana nascida em 1972.  Alguns de seus álbuns, como Moon Pix’ e ‘The Greatest’, são marcados por letras introspectivas e emotivas que se conectam profundamente com os ouvintes. Sua habilidade em misturar de forma autêntica gêneros como folk, rock e indie e transmitir emoções em suas composições a tornaram uma figura influente na música contemporânea. Apesar de enfrentar desafios relacionados à saúde mental ao longo de sua carreira, Cat Power continua a cativar fãs com sua honestidade e talento. Sua música evoluiu ao longo dos anos, mantendo uma base de fãs leais e conquistando novos admiradores, solidificando seu lugar como uma das artistas mais originais e talentosas da cena musical atual.

 

Charles Lloyd Quartet com Gerald Clayton, Reuben Rogers e Eric Harland  

                                                                                  

Reverenciado como uma das maiores lendas vivas do jazz, o saxofonista e flautista Charles Lloyd é reconhecido como um dos pioneiros da música global, muito antes do termo ‘world music’ ser cunhado. Artista de vanguarda e precursor do jazz psicodélico, sua música transcende com sofisticação e elegância os domínios do blues, rock e tradições não ocidentais. Nascido em Memphis, no Tennessee, em 1938, ele ganhou destaque nos anos 1960 ao colaborar com artistas como Chico Hamilton e Cannonball Adderley. O álbum ‘Forest Flower’ (1966) o catapultou para a fama, tornando-se um marco do jazz. Sua música incorpora com fluidez uma ampla gama de influências, desde o jazz tradicional até elementos do rock e da música mundial. Após um hiato nos anos 1970, Lloyd retornou na década seguinte com uma carreira solo notável. Desde então, continuou a inovar, recebendo prêmios e elogios da crítica. Sua longevidade e contribuições à evolução do jazz solidificam Charles Lloyd como uma figura ímpar e respeitada no cenário musical internacional.

 

Chief Adjuah (antes conhecido como Christian Scott)

Reconhecido como um dos músicos mais inovadores e criativos da cena contemporânea do jazz, o trompetista Chief Xian aTunde Adjuah – antes conhecido como Christian Scott - destaca-se por sua habilidade em combinar tradição e vanguarda. Influenciado por suas raízes em New Orleans, o jazz modal, o pós-rock, o hip hop e música eletrônica, o multipremiado artista apresenta uma abordagem única e eclética em suas composições. Seus álbuns, como ‘Stretch Music’ e ‘Ancestral Recall’, exploram narrativas sociais e culturais, refletindo seu ativismo musical. Indicado ao Grammy e com prêmios importantes na trajetória, Chief Adjuah é reconhecido por sua contribuição significativa à evolução do jazz contemporâneo, posicionando-se como uma voz influente na cena global.

 

 

 

 

Cimafunk

 

O cantor Cimafunk, cujo nome de batismo é Erik Alejandro Rodríguez, nasceu na cidade cubana de Pinar del Río, em 1989. Ele se destaca por sua contribuição única para a música caribenha, mesclando gêneros como funk, soul, e música afrocubana. Com participações de George Clinton e CeeLo Green, ‘El Alimento’ (2021), o seu álbum mais recente, foi indicado ao Grammy deste ano na categoria Melhor Rock Latino ou Álbum Alternativo, além de figurar nas listas de melhores do ano da Rolling Stone e NPR. O cantor começou carreira como vocalista da banda de rock alternativo Malpais, mas só foi alcançar reconhecimento internacional com seu projeto solo. Reconhecido pelo carisma no palco e canções marcadas por letras inteligentes e uma voz poderosa, o artista representa uma nova geração de cubanos que buscam uma expressão musical diversificada com raízes profundas na rica tradição musical de seu país de origem.  

 

Daniel Caesar

 

Cantor, compositor e produtor aclamado, o canadense Daniel Caesar ganhou os holofotes com o lançamento do EP ‘Pilgrim's Paradise’ (2015), mas foi com o seu álbum de estreia, ‘Freudian (2017), que ele alcançou reconhecimento internacional. A voz suave do artista, combinada com letras profundas, estabeleceu sua reputação na música R&B e soul e resultou na conquista de diversos prêmios, incluindo um Grammy. Dono dos sucessos ‘Best Part’ e ‘Get You’, Caesar colaborou com artistas renomados como H.E.R. e atingiu o topo das paradas americanas recentemente por sua participação na música ‘Peaches, de Justin Bieber. Aos 28 anos, o cantor desembarca em São Paulo com a turnê do terceiro álbum de sua carreira, ‘Never Enough’.

 

Daniel Santiago e Pedro Martins

 

Pedro Martins e Daniel Santiago são dois talentosos músicos brasileiros, notáveis por suas habilidades como guitarristas e compositores, com contribuições significantes para a cena musical contemporânea no Brasil. Nascido em 1993, Pedro Martins começou a tocar guitarra muito jovem e rapidamente se destacou por sua habilidade técnica e criatividade. Sua música transcende gêneros, incorporando elementos de jazz, MPB e experimentalismo.

 

Daniel Santiago, por sua vez, colaborou com diversos artistas renomados e é conhecido por sua destreza técnica e sensibilidade musical. Daniel também é um compositor prolífico, envolvendo-se em projetos que abrangem uma variedade de estilos musicais, desde o jazz até a música brasileira. Juntos, os artistas proporcionam uma fusão de influências, com virtuosidade técnica e originalidade artística, comprovado nos álbuns ‘Simbiose’, de 2016, e o mais recente ‘Movement’, de 2023.

 

​David Morales

 

A experiência do nova-iorquino David Morales à frente das pick-ups remonta à emblemática década de 80, quando a disco music explodiu no cenário mundial. Com o sucesso crescente de suas performances nos principais nightclubs do país, Morales se uniu a um dos grandes nomes da house music, Frankie Knuckles, e à empresária da vida noturna de Nova York, JudyWeinstein, para criar a Def Mix Productions. A partir daí, lançou o álbum de estreia ‘The Program e assinou remixes de estrelas como Jamiroquai, Janet Jackson e Mariah Carey, além de gravar o clássico do house ‘Needin' U’, sob o pseudônimo de David Morales Presents The Face. Indicado ao primeiro Grammy em 1996 como produtor do álbum ‘Daydream’, de Carey, pela música ‘Fantasy’, o DJ ganhou o troféu de “Remixer do Ano” na edição de 1998. Desde então, produziu e remixou mais de 500 discos para estrelas como U2, Michael Jackson, Madonna, Aretha Franklin e Whitney Houston. Durante a pandemia lançou o programa ‘Sunday Mass’, de transmissão ao vivo no Twitch para seus fãs em todo o mundo, que alcançou grande sucesso e cuja versão ao vivo ele apresentará – em um set de cinco horas – no C6 Fest.  

 

Dinner Party ft. Terrace Martin, Robert Glasper and Kamasi Washington

 

Dinner Party é um supergrupo de jazz contemporâneo e hip-hop formado por quatro músicos de renome: Terrace Martin, Robert Glasper, Kamasi Washington e 9th Wonder, sendo este último a única ausência no show em São Paulo. Antes de se unirem para criar a banda, em 2020, todos os integrantes já haviam alcançado reconhecimento individual em suas respectivas carreiras. A colaboração resultou em uma sonoridade sofisticada e marcada pela complexidade musical e letras reflexivas, evidenciadas no EP de estreia que trazia apenas o nome do grupo (2020) e no álbum mais recente ‘For Granted’ (2023). Com influências diversificadas, o Dinner Partytranscende gêneros para criar um conceito inovador na interseção entre o jazz e a música contemporânea.

 

DJ Meme

 

DJ Meme iniciou sua carreira nos anos 80 e logo tornou-se uma figura influente na cena da música eletrônica no Brasil, pois foi um dos primeiros a introduzir e popularizar a house music no país. O carioca atingiu notoriedade internacional com parcerias prestigiosas, como o convite de Yoko Ono para remixar ‘Give Peace a Chance’, de John Lennon, que o elevou ao primeiro lugar na parada Hot Dance da Billboard. Reconhecido também por suas colaborações com artistas notáveis, incluindo Gilberto Gil, Caetano Veloso e principalmente Lulu Santos, para quem produziu o álbum ‘Eu e Memê, Memê e Eu’ (1995), Meme é hoje considerado uma lenda da música eletrônica brasileira.

 

Fausto Fawcett

O carioca Fausto Fawcett é um artista multifacetado, notório por sua atuação como escritor, músico, cineasta e performer. Sua carreira começou a ganhar corpo nos anos 1980, quando se tornou uma figura proeminente na cena cultural brasileira. Conhecido por sua abordagem irreverente e provocativa, Fawcett explora temas sociais e cotidianos em suas obras. Sua incursão na música se deu no álbum ‘Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros’ (1987), projeto que mescla elementos eletrônicos com poesia e traz o seu maior hit, ‘Kátia Flávia, a Godiva do Irajá’. Influente na contracultura brasileira, o artista apresenta no C6 FestFavelost, O Baile’, numa colaboração com o grupo Insanosom.

 

Jair Naves

 

Reconhecido por seu estilo único de composição lírica, Jair Naves é dono de uma das vozes mais expressivas no cenário do rock alternativo brasileiro. Nascido em Brasília, o cantor, compositor e multi-instrumentista começou a trajetória musical com a Ludovic, banda influente no cenário punk brasileiro. Em 2012, iniciou a carreira solo, onde se destacou pelas letras introspectivas em canções que exploram o indie rock e o folk. O seu álbum de estreia, ‘E você se sente numa cela escura, planejando a sua fuga, cavando o chão com as próprias unhas’​ (2014) recebeu elogios da crítica especializada. Com quatro álbuns lançados, Jair é reconhecido pela honestidade e habilidade em traduzir experiências pessoais em músicas envolventes e pelas performances catárticas.

 

Jakob Bro ‘Uma Elmo’

 

O guitarrista dinamarquês Jakob Bro lançou seu quinto álbum como líder pela ECM, intitulado ‘Uma Elmo’. Nele, forma um novo trio com o trompetista norueguês Arve Henriksen e o baterista espanhol Jorge Rossy. Apesar da notável sinergia musical do grupo, foi durante as sessões de gravação que os músicos tocaram juntos pela primeira vez. Destacando a abordagem sem pressa de Bro, o disco reafirma a observação do London Jazz News sobre a grande profundidade de seu trabalho. ‘Reconstructing a Dream’ é a faixa de abertura, seguida por ‘To Stanko’, uma homenagem a Tomasz Stanko, e ‘Music for Black Pigeons’, uma homenagem a Lee Konitz. O álbum também apresenta o som poético de Henriksen e a contribuição de Rossy, conhecido por seu trabalho no trio de Brad Mehldau. A revista DownBeatelogiou a luminosidade da guitarra de Bro, descrevendo sua música como simultaneamente hipnótica e dramática.

 

Jaloo convida Gaby Amarantos

 

Expoente da música indie e eletrônica paraense, a cantora e compositora Jaloo recebe no C6 Fest a poderosa voz de Gaby Amarantos, sua conterrânea. Ambas se firmaram como ícones da poderosa cena nortista. Nome artístico de Jaime Melo, Jaloo começou a ganhar destaque na década de 2010 ao imprimir em sua música as influências que mesclam a cultura de seu estado de nascença com elementos contemporâneos. Reconhecida por suas produções inovadoras e as performances vibrantes, ela apresenta no C6 Fest sucessos da discografia e do recém-lançado ‘Mau’ (2023), terceiro álbum de estúdio de sua trajetória.

 

Ao longo de sua carreira, a paraense explora, em letras provocativas, temas como identidade, sexualidade e experiências pessoais. Ela se destaca não apenas pela sonoridade única, mas por sua presença marcante no cenário LGBTQIA+ brasileiro, causa também defendida com fervor por Gaby Amarantos, cantora e atriz que despontou em 2012 com o álbum ‘Treme’ (2012).

 

Jihye Lee Orchestra

 

A renomada compositora e regente sul-coreana Jihye Leeobteve sucesso relativo no início da carreira como cantora de pop, entretanto foi somente quando se matriculou na Berklee College of Music de Boston que descobriu, nas aulas de canto, a sua paixão pelo jazz. À frente da orquestra que leva o seu nome, lançou os elogiadosálbuns ‘April’ (2017) e ‘Daring Minds’ (2021), nos quais se evidencia a sua abordagem inovadora na fusão de elementos da música tradicional de seu país de origem com o jazz contemporâneo. Sua capacidade em incorporar sonoridades únicas e de romper fronteiras culturais a consolidaram como uma figura influente na música mundial.

 

Noah Cyrus

 

Irmã caçula da superstar Miley Cyrus, Noah Cyruscomeçou a ganhar proeminência aos 16 anos de idade com o lançamento do single ‘Make Me (Cry)’ (2016). Ao explorar gêneros como pop e o country, Noah se destaca pela autenticidade lírica e versatilidade musical, comprovadas no seu EP de estreia ‘Good Cry’ (2018), com o qual solidificou sua presença na indústria. Além da música, ela expressa sua individualidade através da moda e da defesa de causas como saúde mental. Apesar das comparações inevitáveis com os outros membros de sua família artística, a cantora construiu uma identidade única, marcada por sua sinceridade e a habilidade de se reinventar. A artista vem ao Brasil pela primeira vez com a turnê de ‘The Hardest Part’ (2022), seu primeiro álbum de estúdio.

 

Paris Texas

 

Formado pelos músicos Louie Pastel e Felix, o duo californiano Paris Texas ganhou os holofotes em 2021 com o lançamento de ‘Heavy Metal’, EP de estreia que mistura influências do rock, punk e rap. A abordagem inovadora e a sonoridade distinta os credenciou como uma das bandas mais promissoras da cena do hip-hop alternativo. O primeiro álbum de estúdio do grupo, ‘Mid Air’ (2023), vem recebendo elogios da crítica especializada por desafiar convenções e extrapolar as barreiras do gênero. Segundo Sophie Williams, da NME, “é um álbum que se destaca brilhantemente como o emblema do caos afiado e controlado que Paris Texasrefinou ao longo de EPs anteriores”.

 

Pavement

 

Banda de rock alternativo originária da Califórnia, o Pavement se tornou uma figura central na cena indie norte-americana dos anos 1990. Composta por StephenMalkmus, Scott Kannberg, Mark Ibold, Bob Nastanovich e Steve West, o grupo lançou álbuns influentes até hoje, como ‘Slanted and Enchanted’ (1992) e ‘Crooked Rain, Crooked Rain’ (1994). Este último os catapultou ao mainstream com o sucesso ‘Cut Your Hair’. A estética lo-fi e as letras enigmáticas, inteligentes e irônicas definem as composições da banda, que mistura elementos de rock, noise e indie. Dissolvido antes da virada do milênio, o quinteto comandado por Malkmus se reuniu uma segunda vez no ano passado – a primeira foi em 2009 – para uma série de shows que tem lotado os locais onde se apresenta.

Pista Quente

 

'Pista Quente' é uma das mais badaladas festas de house e música eletrônica em São Paulo, onde se tornou referência na cena noturna. A balada é especialmente celebrada nas vésperas de feriados, no N/A Club, oferecendo uma experiência prolongada de uma noite intensa de música e dança.

 

Raye

 

Comparada pela imprensa inglesa a Amy Winehousepela semelhança física e alcance vocal, a jovem Raye, de origem suíço-ganense, tem apenas 26 anos e já é um dos nomes de destaque da cena britânica, somando mais de 2,3 bilhões de execuções nas plataformas de streaming. Compositora requisitada, já escreveu para artistas como Beyoncé, John Legend, Ellie Goulding, Diplo, David Guetta e Khalid, além de figurar nos créditos de ‘Girl from Rio’, de Anitta. Foi quatro vezes indicada ao Brit Awards, principal premiação da música britânica, e uma ao Ivors, em 2019, na categoria compositora do ano. No mesmo ano recebeu o BMI Impact Award em reconhecimento à sua arte inovadora, visão criativa e impacto no futuro da música. No início de 2023 lançou de forma independente o álbum de estreia ‘My 21st Century Blues’, depois de uma disputa de sete anos com sua antiga gravadora.

 

Romy

 

Guitarrista, cantora e compositora britânica, Romyganhou notoriedade como integrante do aclamado trio de indie pop The xx, fundada em 2005, ao lado de Oliver Sim e Jamie xx. A sonoridade minimalista e melódica do grupo, marcada pela atmosfera etérea das músicas, elevou o grupo ao mainstream a partir de álbuns como ‘xx(2009) e ‘I See You’ (2017). Assumidamente lésbica, Romy também se destaca como ícone LGBTQIA+, levando suas experiências pessoais para suas composições. Como artista solo, Romy lançou o álbum ‘Lose My Mind’ (2021) e, mais recentemente, ‘Mid Air’ (2023), ambos elogiados pela crítica especializada. Sua habilidade em expressar emoções complexas através da música consolida o seu papel como uma das artistas mais influentes da cena indie contemporânea.

 

Soft Cell

 

Após um retorno estrondoso em 2018 com a turnê comemorativa do seu álbum de estreia, ‘Non-Stop Erotic Cabaret’, de 1981, o icônico duo britânico ressurgiu com uma vitalidade sonora que desafia o tempo. Conhecido pela linguagem experimental e letras provocativas, muitas vezes mergulhando em temas sombrios e decadentes, o grupo se destacou ao fundir new wave, eletrônica e elementos do underground. Pioneiros do synth-pop, o Soft Cell conquistou fama mundial com o sucesso ‘Tainted Love’ (1981), um hino do pop da década de 1980. Formado por Marc Almond e Dave Ball, o grupo alcançou o Top 10 do Reino Unido com o seu último lançamento, ‘Happiness Not Included’ (2022), e demonstrou que o seu legado musical não apenas persiste como segue relevante.

 

Squid


Banda britânica de pós-punk formada em 2015, o Squid é composto por Ollie Judge, Louis Borlase, Arthur Leadbetter, Laurie Nankivell e Anton Pearson. Originários de Brighton, o grupo se destacou internacionalmente pela sonoridade experimental e a fusão de gêneros. Com influências que vão de krautrock ao jazz e letras intrigantes que exploram temas como a sociedade moderna e a tecnologia, o Squid se caracteriza pelas composições complexas e as performances enérgicas no palco. O álbum de estreia, ‘Bright Green Field’ (2021), reforçou sua reputação como uma das bandas mais promissoras do cenário alternativo e sua ascensão meteórica evidencia sua força na no pós-punk contemporâneo. No C6 Fest, o grupo apresenta a turnê do recém-lançado álbum ‘O Monolith’ (2023).

 

Valentina Luz

 

Valentina Luz é performer e DJ brasileira, com pesquisas em torno da house music e forte base nas raízes negras e LGBTQIA+ da música eletrônica. Nome fundamental na atual cena underground paulistana, com sets que nos levam ao inesperado, ela conduz os ouvintes a experiências inusitadas na pista de dança.

 

Young Fathers

 

O trio escocês Young Fathers é conhecido por seu estilo musical idiossincrático que funde rock experimental, pop artístico, hip-hop e noise. Com uma trajetória celebrada pela autenticidade de não seguir as tendências da indústria, o grupo formado em 2008 por Alloysious Massaquoi, Kayus Bankole e Graham 'G' Hastingsganhou reconhecimento com o álbum "Dead" (2014), com o qual conquistou o prestigioso Mercury Prize. A diversidade cultural dos membros influencia fortemente suas letras, que abordam temas como identidade e pertencimento. Depois de solidificar ainda mais a sua posição na vanguarda da música alternativa com o álbum ‘Cocoa Sugar’ (2018), a banda traz a turnê de ‘Heavy Heavy’ (2023), seu último lançamento. A capacidade de evolução e honestidade de suas canções os posiciona como uma das bandas mais impactantes e progressistas da cena contemporânea.

 

SERVIÇO

 

C6 Fest

PARQUE IBIRAPUERA (Av. Pedro Álvares Cabral, 0 – Ibirapuera)

 

PROGRAMAÇÃO:

 

AUDITÓRIO IBIRAPUERA (Plateia Interna)

 

SEXTA, 17 DE MAIO

 

Jakob Bro 'Uma Elmo'

Jihye Lee Orchestra

Charles Lloyd Quartet

Daniel Santiago e Pedro Martins

 

DOMINGO, 19 DE MAIO

 

Dinner Party ft. Terrace Martin, Robert Glasper and Kamasi Washington

Chief Adjuah

 

ARENA HEINEKEN, TENDA METLIFE, PACUBRA

 

 

SÁBADO, 18 DE MAIO

 

Black Pumas

Raye

Ayra Starr

Cimafunk

2manydjs (Live)

Soft Cell

Romy

Jaloo convida Gaby Amarantos

Pista Quente

Fausto Fawcett

Valentina Luz

 

DOMINGO, 19 DE MAIO

 

Daniel Caesar

Baile Cassiano

Young Fathers

Paris Texas

Pavement

Cat Power sings Dylan '66

Noah Cyrus

Squid

Jair Naves

David Morales (Sunday Mass)

Dj Meme

 

INGRESSOS

 

• Clientes do C6 Bank terão acesso exclusivo à pré-venda (6 e 7 de dezembro) e 20% de desconto no valor dos ingressos, inclusive para meia-entrada, mediante compra com o cartão de crédito do banco.

 

• A venda para o público em geral se iniciará no dia 8 de dezembro.

 

SITE DE VENDAS: C6fest.byinti.com

 

PONTO FÍSICO DE VENDA DE INGRESSOS (SEM TAXA):

 

Oca - Av. Pedro Álvares Cabral, S/n - Portão 2

Horário de funcionamento:

De quarta a sexta, das 11h às 19h

Sábados, domingos e feriados, das 9h às 19h

Telefone: (11) 5082-1777

 

PREÇOS (1º lote, por dia):

 

Arena Heineken e Tenda Metlife (dias 18 e 19 de maio, sábado e domingo)

R$ 660,00 (inteira) / R$ 330,00 (meia)

*Ingressos dão direito ao Pacubra/Village

 

Auditório Ibirapuera (plateia interna) (dias 17 e 19 de maio, sexta e domingo)

R$ 560,00 / R$ 280,00 (meia)

*Ingresso para o dia 19 dá direito ao Pacubra/Village

**no dia 17 não haverá programação no Pacubra

 

PASSAPORTES (1º lote)

 

Passaporte Jazz (dá acesso aos dois dias de shows na plateia interna do Auditório Ibirapuera e ao Pacubra/Village no show do dia 19*)

R$ 1.000,00 (inteira) / R$ 500,00 (meia)​

*no dia 17 não haverá programação no Pacubra

 

Passaporte Arena Heineken e Tenda Metlife (dá acesso aos dois dias de shows nestes palcos e ao Pacubra/Village)

R$ 1.200,00 (inteira) / R$ 600,00 (meia)

 

 

 

 

 

 


Commentaires


bottom of page