top of page
  • Foto do escritorglowpopbr

TITÃS ENCONTRO: muito rock n' roll e música potente com titãs no Rio de Janeiro.

Apresentação aconteceu no qualistage no Rio de Janeiro.


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


Na última quinta feira, Arnaldo Antunes, Branco Mello, Charles Gavin, Nando Reis, Paulo Miklos, Sérgio Britto e Tony Bellotto subiram ao palco do Qualistage, famosa casa de shows na Barra da Tijuca – RJ, para dar início da segunda parte de apresentações (e reta final) da turnê Titãs Encontro – Pra Dizer Adeus.


Por quase duas horas de apresentação, com um set com nada menos que 28 músicas, não há quem diga que faltou algum hit, pois sobrou até demais, o grupo deu o start na apresentação por volta de 21:30, diante de olhares e rostos entusiasmados, as batidas iniciais de “Diversão” junto da entrada misteriosa mostrando apenas a sombra dos rapazes, deu o ar da graça pra provar que a diversão estaria apenas começando.


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


Nem saindo da primeira música, já óbvio que o grupo teria o público na mão durante o show inteiro, e assim na sequência, a clássica batida na bateria acompanhado do riff magnífico de “Lugar Nenhum”, eis que surge Arnaldo cantando cheio de energia e vigor, alías com sua famosa frase no final que todo mundo adora: “Brasileiro o quê? Brasileiro é o Car*lho, o Car*lho!”, e pra botar logo fogo de vez na abertura, a trinca inicial de músicas de “Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas”, e logo é a vez de “Desordem”, dessa vez Sérgio Britto fazendo todos saírem do chão.


Dando continuidade a noite de gala de estreia da segunda parte da turnê, fora músicas como, “O pulso”,”Comida” e "Homem Primata", vale destaque para “Cabeça Dinossauro” que além de encerrar a primeira etapa do show, além de ser o nome do disco mais cobiçado do grupo, traz no vocal o majestoso Branco Mello, que antes de iniciar a música, comentou com o público que além da batalha longa contra um câncer já mencionada por ele em tantos outros momentos, comentou dessa vez: “Queria dizer também que, entre a primeira turnê e essa, tive que fazer mais uma cirurgia. Desta vez, na boca. Então, ainda não posso participar do show inteiro, mas não podia deixar de cantar pra vocês Cabeça Dinossauro",


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


A garra e a vontade de Branco de estar presente no palco, mesmo não cantando do seu melhor jeito, com sua melhor voz, por si só já faz dele um grande titã, um grande música, e companheiro de banda dos que estão ali presente pra celebrar essa grande encontro, e logo após cantar esse grande hit, a banda deu uma pequena pausa para ajustar o cenário, já que agora seria hora de emocionar a galera, esquentar o coração.


Agora em um formato mais intimista e acústico, pra nitidamente celebrar o álbum acústico do titãs, declarado como disco mais querido por eles, e logo Britto, pede para as pessoas ascendem isqueiros, lanternas de celulares, e assim tocando a introdução de “Epitáfio”, duvido que não tenha uma alma naquele lugar que num tenha cantado essa canção com o coração, pois talvez seja a música mais famosa de grupo.






Após serem tocadas os hits do disco “OS Cegos do Castelo” e “Pra dizer Adeus”. Antunes volta ao palco acompanhado por Alice, filha do guitarrista Marcelo Fromer, pra poder homenagear a memória de um dos fundadores do grupo paulistano com uma versão pungente de “Toda cor” (com o refrão ressignificado pela interpretação de quem canta a lembrança do pai) e em “Não vou me adaptar”. Alice se despede e a energia titânica volta para a terceira parte da apresentação no reencontro com os maiores sucessos do grupo. 


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


E pra voltar com energia total, sem deixar a peteca cair, é a vez de um dos nomes mais importantes da banda, não desvalorizando o papel que cada um desempenha na banda, mais talvez por que seja um dos maiores letristas de música brasileira, do rapaz humilde que tocava baixo, a um dos maiores cantores de sucesso, eis que seja agora o momento de Nando Reis soltar a potente voz em “Família”.


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


E com isso, apesar de um setlist de 28 músicas, se você for em um show do titãs, saiba que você vai ter na ponta da língua umas 25 músicas, mesmo que não conheça a banda, tamanho sucesso e influência que a banda tem, digo isto pois a sequência final do show antes do BIS, é tanta música boa que iria faltar espaço pra descrever tantas boas, como são o caso de, “Flores”, “Televisão”, a trinca de ouro do disco mais famoso, “Polícia”, “AA-UU” e “Bichos Escrotos”.





Era tanta gente pulando o tempo todo de show, que o sucesso de mais de 40 anos de carreira, shows lotados em toda parte do Brasil, e praticamente muito bem auto explicativo, e ainda logo nos BIS, o público parecia pedir mais 5 músicas, apesar das quase duas horas de shows, se deixasse a banda a vontade, tocariam muitas mais ainda.


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


E por fim, chegada na hora do bis, músicas que de fato não poderiam nunca ficar de fora do show, hits quase que são quase obrigatórios de serem tocados como: “Marvin” e “Sonífera Ilha”. E assim era chegado o final do show, com uma apresentação impossível de descrever, tamanha qualidade, não só pelos músicos, pela trajetória, mas pelo cenário, o conjunto da obra toda faz tudo ficar perfeito, e pra quem perdeu ainda mais, muito mais !


Foto: Thaís Monteiro (@thaclicando)


Titãs Encontro – Pra Dizer Adeus, ainda tem encontro marcado na Arena Jockey nos dias 18, 19, 20 e novamente no Qualistage no dia 22, fora inúmeras datas pelo Brasil afora até final de dezembro.


Comentarios


bottom of page